Moto G 2015 Music – review

O Moto G 2015 ou Moto G de 3ª geração, como queira, chegou surpreendendo, como as outras versões do aparelho. O modelo testado aqui é o Moto G 2015 edição especial, que vem com o Moto Pulse, um fone de ouvidos bluetooth que achei bastante funcional e bonito. E ainda é possível personalizar o Moto G 2015 no momento da compra. Veja os links abaixo para entender como é possível.

>>> Veja Todos os modelos do Moto G de 3ª geração
>>> Moto G 3ª geração vs. Moto G 2ª geração

Além do hardware mais evoluido, o Moto G 2015 também trouxe novidade no software gerenciador de fotos, facilitando a busca por fotos, um design mas elegante, uma boa melhora na qualidade da câmera e a novidade que ele agora é prova de água, pois segue a certificação IPx7. Esta norma aprova que o aparelho pode ficar submerso em água até um metro de profundidade por 30 minutos.

[huge_it_gallery id=”2″]

Apesar disso, durante a coletiva de imprensa de apresentação do produto, os executivos não recomendaram que se mergulhe com o Moto G. Eles explicaram que o movimento dentro da água pode mudar a pressão de que o aparelho suportaria.

De qualquer forma, caso o Moto G 2015 caia no vaso sanitário na piscina, é certo que ele vai sair da água funcionando, como provei neste vídeo.

Configuração

O Moto G 2015 usa processador da Qualcomm, modelo Snapdragon 410 (MSM8916), quad-core e frequência de 1,4 GHz. A GPU (processador gráfico) é a Adreno 306. A memória desse modelo que testei é de 1 GB e o armazenamento interno é de 16 GB.

Há um slot para cartão micro SD que aumenta o armazenamento para até mais 32 GB. Quanto a rede de telefonia, ele é dual chip (tamanho micro SIM) e suporta rede 4G. O sistema instalado é o Android Lollipop versão 5.1.1.

As dimensões, acabamento e ergonomia

O Moto G 2015 mede 14,2 centímetros de altura por 7,2 cm de largura e manteve a curva na parte de trás; na parte mais alta medindo 1,1 cm e nas bordas medindo 0,6 cm de espessura. O peso é de 155 gramas.

Os botões de volume e liga / desliga ficam na lateral direita e estão na altura ideal para serem acessados pelo dedo polegar com conforto. na parte de baixo está o conector micro USB e na parte de cima, centralizado, está o conector para fone de ouvidos.

moto G 2015 frente moto G 2015 tras

A capa traseira é removível para termos acesso ao cartão micro SD e aos dois chips de telefonia. Mas ele é totalmente lacrado e a bateria não é removível. Isso se deve ao fato do aparelho ser à prova de água.

O design mudou pouco em relação ao modelo 2014, mas continua com as bordas arredondadas e traseira curva. É o desenho clássico que oferece boa ergonomia tanto para levar no bolso quanto segurar nas mãos.

Dois detalhes foram alterados em nível de estética: a borda de cima ganhou uma suave curva em direção à tampa. A lente e o flash ganharam uma moldura semelhante a do Moto X.

Tela

A tela tem 5 polegadas e usa tecnologia IPS LCD com resolução de 1280 x 720 pontos e densidade de 294 pixels por polegada. A qualidade é ótima, é possível ler textos com letras pequenas com conforto e o brilho também ajuda muito, principalmente em vídeos e fotos.

Qualidade da tela do Moto G de 3ª geração. Cores são vibrantes com brilho e contraste equilibrados
Qualidade da tela do Moto G de 3ª geração. Cores são vibrantes com brilho e contraste equilibrados

Também responde rapidamente e com precisão aos comandos de toque, o que é muito bom para quem gosta de jogos, que são aplicativos que requerem essas duas qualidades. A tela é protegida pelo vidro Gorilla 3, desenvolvido pela Cornning, que resiste a arranhões. Apesar disso eu recomendo usar uma película de proteção. Afinal, é vidro.

Desempenho

O Moto G é um aparelho intermediário, mesmo nessa versão 2015. De qualquer forma, mesmo os processadores considerados intermediários hoje me dia, rodam muito bem aplicativos pesados, só “engasgando” mesmo em jogos mais sofisticados que usam gráficos pesados para serem processados.

Aplicativos como Google maps, Google Earth, Waze, que precisam renderizar mapas foram executados com fluidez e rapidez. Jogos casuais, como Angry Birds rodam muito bem, mas jogos como Real Racing 3, sofrem para ter um bom desempenho e a experiência de jogo não é tão boa.

A multitarefa também foi bastante satisfatória, somente dando umas “brecadas” em alguns aplicativos que precisavam atualizar telas, como e-mail, por exemplo. Usei benchmarks, que são aplicativos que mostram desempenho bruto, ou absoluto, que mensuram a capacidade de cálculo do processador. Isso não traduz a experiência de uso, mas mostra o quanto o smartphone é rápido para processar dados.

Eu uso benchmarks porque você pode comparar com seu smartphone, pois é possível baixar esses aplicativos na Play Store gratuitamente. Rodei os apps PC Mark, Antutu e Geekbench 3. E os valores alcançados pelo Moto G 2015 foram, respectivamente 3.912, 23.242 e 1.559. Quando você rodar esses benchmarks e comparar os resultados com o seu smartphone, basta saber que, quanto mais altos forem esses números, maior é a capacidade bruta de processamento do aparelho.

Usabilidade e recursos únicos do Moto G

A Motorola ainda prefere deixar o Android quase puro, do jeito que o Google envia. Muitas pessoas gostam disso, algumas não. A parte boa disso é que o sistema fica livre de interferências e assim mais leve e fluido. Mas alguns atalhos, na barra de tarefa, por exemplo, poderiam ser inseridos.

De qualquer forma, o Moto G traz alguns truques na manga que nenhum outro celular tem. Ao sacudir a mão para esquerda e direita, por exemplo, faz com que a câmera seja acionada.

Balançar o smartphone duas vezes vezes, como se estivesse usando um martelo, faz com que a lanterna acenda. Ao repetir esse movimento, a lanterna apaga. Truques simples, mas muito úteis; e é isso que precisamos.

Funções ativadas por gestos: truques simples, mas úteis
Funções ativadas por gestos: truques simples, mas úteis

Outro recurso de destaque é o Moto Assist. Com ele, o Moto G se adapta às condições que você programou. Quando ativado o modo reunião, por exemplo, o aparelho verifica a agenda e, caso tenha marcado algum compromisso para determinada hora, o smartphone entra no modo silencioso nesse tempo.

E caso alguém ligue, o Moto G responde automaticamente com uma mensagem padrão ou com a mensagem que o usuário programou.

Modo reunião: Moto G entra no perfil silencioso automaticamente de acordo com sua agenda.
Modo reunião: Moto G entra no perfil silencioso automaticamente de acordo com sua agenda.

Testei o recurso e funcionou muito bem. As notificações de tela (que a Motorola chamou de Moto tela) também merecem citação. Quando alguma mensagem do facebook ou qualquer outro aplicativo é recebida, a tela exibe ícones referentes a eles.

É interessante porque a visualização do ícone é rápida e você decide se quer ver naquele momento ou não. Isso aumenta a produtividade, já que não é preciso acessar o aplicativo diretamente.

Câmeras – uma grande melhora em relação ao modelo anterior

O Moto G 2015 vem com uma câmera traseira de 13 megapixels, com flash dual LED e uma câmera frontal de 5 MP. Mas não foram apenas os megapixels que aumentaram. A lente de abertura f/2.0 conseguiu fazer fotos ótimas em ambientes com luz natural, sem resultados tremidos e sem ruídos e, com o software novo é possível ajustar a exposição e assim obter boas fotos em ambientes com pouca luz.

O flash ganhou novidade também. Com uma tecnologia chamada CCT (Correlated Color Temperature), o flash duplo se ajusta de acordo com a iluminação ambiente e dispara em momentos diferentes para garantir tons mais reais ao assunto, assim como as cores mais consistentes. No teste, essa explicação teórica provou ser eficiente, como mostram as fotos tiradas pelo Moto G 2015.

A câmera frontal tem ângulo de visão de 72 graus, o que permite selfies amplas. Há também uma função chamada “Melhor foto”, na qual, automaticamente é detectado se a pessoa fechou os olhos ou se movimentou e a foto saiu borrada.

Se acontecer essas situações, a câmera exibe as fotos tiradas (nos testes aconteceu uma vez e o Moto G ofereceu três opções de fotos) e permite que o usuário escolha a melhor. Achei interessante para não perder aquele momento certo!

moto G 2015 camera recurso
A câmera frontal do Moto G 2015 detecta se a pessoa se mexeu ou fechou os olhos. Então consegue tirar três fotos e dar a opção para o usuário escolher a melhor

A câmera também filma em full HD e no modo câmera lenta (em 720p). Os vídeos ficam muito bons, bem definidos, movimentos consistentes, porém, a estabilização não é grande coisa.

Isso não estraga em nada as filmagens se você filmar com a mão bem firme, porém, seria melhor se tivesse uma melhor estabilização. Durante a gravação é possível fazer três ações, distintas uma das outras: pausar a gravação; tirar fotos e dar zoom.

Por fim, a câmera do Moto G 2015 já reconhece códigos de barras, seja QR-code ou linear. Basta apontar para o código e depois escolher se quer abrir na web ou guardar para uso posterior.

Galeria das fotos feitas pelo Moto G 2015

Clique nas fotos para ver a descrição

[huge_it_gallery id=”3″]

Duração de bateria

O Moto G 2015 usa uma bateria de 2.470 mAh de capacidade. Eu uso meu teste padrão. Tirei o aparelho do carregador às 7 hs da manhã. Durante o dia tirei dez fotos, fiz um vídeo de cinco minutos e visualizei os resultados por 15 minutos. Em seguida, usei o GPS por 30 minutos, além de fazer chamadas no total de 30 minutos e de navegar na Internet por cerca de três horas (sites, e-mails e redes sociais). Por fim, joguei por 20 minutos e assisti a vídeos no YouTube por 10 minutos. Às 19:00 hs, restavam 31% de carga.

Portanto, será possível usar os recursos do aparelho durante o dia de trabalho e ainda ter energia para parte da noite. Com uso moderado das funções é até possível que o Moto G 2015 chegue até a manhã do dia seguinte com carga, mas, no geral, será preciso recarregar à noite para não arriscar ficar com pouca energia no começo do dia seguinte.

O fone de ouvido Moto Pulse

Esta edição do Moto G acompanha o fone de ouvido Moto Pulse. No momento da compra pode ser escolhido na cor branca ou preta. O Moto pulse usa a tecnologia Bluetooth, o que é uma grande vantagem para se livrar dos fios.

Ele é do tipo concha, com almofadas que ficam em volta da orelha, mas não chega a cobri-la. Isso faz com que o som externo não seja totalmente isolado, mas o deixa com uma aparência mais discreta.

O arco é monobloco, sem partes móveis e o ajuste de altura é feito engenhosamente arrastando os próprios alto-falantes por um trilho na haste. Achei interessante porque com menos partes, o risco de quebrar é menor. A haste é bastante flexível e revestida por tecido um tanto espesso, o que oferece conforto para a parte de cima da cabeça e o deixa esteticamente bonito.

moto pulse
Fone Moto Pulse, que acompanha o Moto G Music. Bluetooth de bom alcance, ótima duração de bateria, mas não é muito confortável

Os botões de volume e pareamento ficam bem acessíveis e são muito firmes. O pareamento com o telefone é feito rapidamente e também há um microfone embutido, de modo que o Moto Pulse pode ser usado para atender chamadas.

A duração da bateria pode chegar a 18 horas de uso contínuo, segundo a Motorola. Eu consegui utilizar (deixei ligado rolando música pelo notebook) durante 13 horas e meia. O que achei uma marca ótima, pois, considerando que não vai ser utilizado por todo esse período contínuo na cabeça, é bem provável que uma carga completa dure de 5 a 7 dias

O nível de bateria pode ser acompanhado por meio de um LED: quando está vermelho a carga está abaixo de 20%; na cor amarela está entre 20% e 70% e, na cor verde, entre 71% e 100%.

E o meu veredito sobre o Moto Pulse é: achei o áudio ok, bastante limpo e aceitável, mas nada de extraordinário. A bateria tem ótima duração e o alcance do Bluetooth passou dos 10 metros de distância (testado no Moto G). O design é bonito. Como pontos fracos, as almofadas não isolam bem o som externo e, além disso, como só ficam em volta da orelha e não a cobrem toda, ele precisa exercer uma pressão para ficar fixo nas orelhas e, depois de um tempo de uso, essa força incomoda um pouco.

Conclusão

O Moto G 2015 melhorou muito na câmera em relação à versão 2014. A bateria tem duração de um dia, mesmo usando funções que consomem mais energia (leia o tópico Duração de bateria). A tela de 5 polegadas oferece boa visualização até em textos com caracteres pequenos e responde muito bem aos comandos de toque e rolagem.

O desempenho é bom, os aplicativos rodam fluidamente, mas a memória de 1 GB não ajuda em certos casos, como jogos sofisticados ou quando há muitos aplicativos pesados abertos ao mesmo tempo.

É verdade que o Moto G não é um aparelho direcionado para o alto desempenho, mas o problema, então, está no preço. Por 900 reais, hoje em dia, é um preço alto para comprar um aparelho com apenas 1 GB de RAM.

Nesse caso, faço as seguintes considerações: o Moto G 2015 é dual-chip e 4G. Tem uma construção robusta, com bordas em metal e à prova de água. Pode ter capinhas trocadas e, se for comprado pela loja Moto Maker, o que eu indico, pode ser personalizado de várias formas.

E, no caso, desta edição, vem com fone de ouvidos bluetooth que, considerando o preço, é um fone que vai sair por menos de 100 reais. E é bem difícil de encontrar um bom fone de ouvidos Bluetooth com microfone, por este preço.

Portanto, minha dica é que vale a pena comprar o Moto G 2015 Music se você gosta de ouvir muita música. E se não for o caso, escolha uma versão de Moto G com 2 GB de RAM. A diferença de preço será de apenas 130 reais pelo site da Motorola e você terá um aparelho de alta qualidade técnica e estética, personalizado e com um desempenho muito bom.

+ Ótimo acabamento                                                          Versão de 1GB de RAM é cara
       À prova d’água                                                                   
       Câmera melhorou em relação ao modelo anterior
       Customizável na hora da compra (moto Maker)

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
800
  Inscreva-se  
notificar: